Mais uma vez, as vozes dos jovens se unem em defesa do clima. Num século em que o ambiente se encontra, cada vez mais ameaçado, são também superiores as vozes que se erguem em defesa do planeta Terra.

Depois da última manifestação, há dois meses, milhares de jovens, em mais de cem países, voltaram a juntar as suas bandeiras pelo clima. Fartos da inação dos seus governos, estes jovens, na sua maioria estudantes, lutam por políticas mais sustentáveis, de Lisboa a Sydney. Como se pode comprovar na reportagem da TVI24, disponível AQUI.

O Ministro do Ambiente e Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, foi recebido pelos estudantes de Coimbra. Numa das suas intervenções públicas mais recentes, afirmou ser a “causa mais justa” e deu o seu apoio aos jovens. Em declarações à agência Lusa, declarou que se trata de uma luta ” de uma geração que a faz por uma causa que não é só das gerações futuras, mas também da geração presente”.

Fonte: Lusa/ Créditos: Nuno Fox

Emergência climática já” foi o refrão que acolheu a chegada do ministro à cidade dos estudantes. Antes de rumar ao congresso na Reitoria da Universidade de Coimbra, defrontou-se com um tapete humano de uma dúzia de estudantes, que não o deixavam passar. Cartazes ilustravam a cena, com as frases: “O ar que respiras é mais valioso que o petróleo que extrais” e “A hora do planeta são todas as horas” .

Uma das medidas de apoio foi a justificação de faltas, pelos pais, aos alunos que decidissem participar. João Matos Fernandes sublinha que Portugal foi “o primeiro país do mundo que afirmou que ia ser neutro em carbono em 2050” e um dos países com as “políticas mais avançadas” nesta área.

As vozes de Coimbra

Leonor Ruas é aluna do 1º ano de Relações Internacionais. Esta manhã, esteve presente na greve, que “correu bem e de forma tranquila”, descreve. O seu “descontentamento face à inação dos políticos” fê-la sair de casa. A estudante de Mestrado em Relações Internacionais, Mariana Garrido também se juntou à causa. “Acredito que a ação coletiva é essencial como motor de mudança”, confessa. A importância de ‘vida ou de morte’ da temática fez com que se manifestasse contra a ausência de “respostas urgentes das autoridades” competentes.

Créditos: Laura Faneca

Apesar de a adesão “não ter sido muita”, como descreve Leonor Ruas, a manifestação “mostra que a nossa geração é ativa e que quer realmente lutar pelo ambiente”. Contudo, não concorda com faltar às aulas, para participar, porque “não se pode esquecer que a educação contribui para mudar o sistema”. Mariana Garrido, por sua vez, salienta que a educação ultrapassa a dimensão escolar e deve servir para “formar cívica e politicamente” os cidadãos. Conclui que “não há futuro, se não houver um planeta”.

Rita Vasconcelos, aluna de 1º ano do curso de Direito, fez parte da organização do evento em Coimbra.

Porque é que decidiram fazer a receção ao Ministro do Ambiente?

Como é que começaste a fazer parte da organização?

Como é que se pode estar envolvido na organização de uma greve, como esta e a de dia 15 de março?

Instagram da Greve Climática, em Portugal – SchoolStrike4Climate

Que outras atividades e parcerias já desenvolveram?

Achas que os estudantes estão cada vez mais interessados?

Qual é a relevância de eventos deste género?

Grupo Ecológico presente na iniciativa

O Grupo Ecológico da Associação Académica de Coimbra (GE/AAC), fundado em 1974, está sempre presente neste tipo de iniciativas. Desta vez, Raquel Barbosa, presidente da direção do GE/AAC esteve a representar o mote da secção: “pensar global, agir local”.

Qual foi o ponto de partida para a iniciativa da greve?

Achas que a afluência da greve, em Coimbra, pode ter excedido as expectativas?

Como achas que seria possível sensibilizar ainda mais estudantes?

Achas que este tipo de iniciativas pode aproximar mais os estudantes do GE/AAC?

O que sente o GE/AAC, ao ver cada vez mais jovens envolvidos e lutar em defesa do clima?

Que outras iniciativas tem o GE/AAC preparadas?

O combustível da greve

Chama-se Greta Thunberg e nasceu na Suécia, em 2003. É um dos rostos mais conhecidos e mais mediatizados dos últimos meses. E é também ela o combustível que serviu de mote ao motor da greve. Agora, “fala para o mundo inteiro“.

Greta Thunberg: “I speak in behalf of climate now”

Além disso, e depois de ser protagoniza da mais recente capa da revista Times, a estudante sueca já participou nas famosas conferências TEDx:

TEDx em Estocolmo

Filha de uma cantora de ópera e um ator, este é um dos rostos que se ergue em defesa do nosso planeta. O Vaticano também já fez questão de se juntar às reivindicações dos jovens. Alice Gato e Gil Ubaldo são dois nomes cimeiros em defesa do clima, em Portugal. A sua entrevista à Rádio Renascença pode ser vista AQUI.